Este blogue consta de uma compilação de retratos da natureza e intervenção humana em ambiente rural e urbano que O Cidadão abt vai capturando com a sua objectiva durante as caminhadas, será despejada neste blogue de muitos pixeis e poucos bitáites, dando ao ciberleitor a possibilidade de clicar sobre cada uma das fotos e de seguida na tecla F11 para melhor as poder desfrutar em ecrã total... Ligue o som e... passe por bons momentos!


domingo, 24 de janeiro de 2010

MEMÓRIAS DE ABRANTES





2 comentários:

Tramagalense disse...

Boas Cidadão

é com grande pena que vejo estas e outras extraordinárias obras arquitectónicas a degradarem-se.
Será que um dia alguém lhes vai prestar a necessária atenção e devolver-lhes todo o seu esplendor?

saudações

O Cidadão abt disse...

Ôi, Tramagalense... quiçá das Escócias!

O Concelho de Abrantes possui um valioso património urbanístico e arquitectónico... em crescente abandono e estado de degradação visível aos passantes.

São gerações de famílias que partem para outros destinos em busca de melhor qualidade de vida.

São os herdeiros que pelas mais diversificadas razões, perdem a capacidade económica fundamental á manutenção do património imobiliário.
Devido á inversão de valores, este património deixou de ter qualquer significado para outros tantos.

Restam as memórias.

Casos há em que não se regista transmissão entre herdeiros, outros, para evitar encargos maiores com um Estado chupista de impostos acabando na demolição ás mãos dos interesses comerciais.

A exemplo, as 3ª,4ª,5ª, 6ª, e 7ª fotos correspondem á "Quinta dos Telheiros", cujo reduto está cercado por edifícios habitacionais com vários pisos e hangares comerciais, restando á venda este precioso cantinho.

Por ironia do triste destino, a
última herdeira, uma senhora idosa, habita ali num espaço exíguo, antes seria a dependência das cavalariças, em condições precárias, que de dignidade humana deixam muito a desejar, aguardando a chegada de algum construtor civil alavancado por um qualquer BPN ou BPP rendeiro se resolva a comprar o restante património, meter-lhe uns bulldozer's, destruindo o que resta daquele espaço!

Quem lhes prestará a necessária atenção?

Mais indicados seriam aqueles que torcem pelo mausoléu Ibérico encaixado no perímetro de um convento ou os que concretizaram a cidade imaginária!

Azar o nosso!

Para estes, valores mais altos se levantam e outras prioridades se lhes atravessam ao caminho.

Aproveitar esses palácios para museus e afins é hipótese que não passará pela cabeça dos iluminados!

Só uma "Casa dos Patudos" em Alpiarça ou um "Museu Aquiles da Mota Lima", em Tomar têm lugar nas mentes de outros autarcas!

São hipóteses que por cá não passam pelaas cabeças de alguém!!!

Até próximos bitáites!